INVISTA NO REINO DE DEUS ONDE ESTÁ TEU TESOURO AI ESTA TAMBÉM O SEU CORAÇÃO

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

AS ORDENANÇAS DA IGREJA



ORDENANÇAS DA IGREJA:

O Cristianismo não é uma religião baseada somente em ritos (normas religiosas de culto).
O Espírito Santo nos dá liberdade para o adorarmos. Sacramento é a participação direta da graça
ao que participa da ordenança. Há duas cerimônias essenciais e divinamente ordenadas: O Batismo e a
Ceia.


 O BATlSMO NAS AGUAS:
O batismo de Jesus foi o principal evento de sua vida porque marcou o início de seu ministério.
Muito poucos estudiosos discutem hoje o fato de que João Batista batizou Jesus, mas o exato
propósito e importância do seu batismo ainda são matéria controversa.
Os relatos dos Evangelhos concordam que quando João batizava outras pessoas esse ato era um
sinal do arrependimento delas (Mateus 3:6-10; Marcos 1:4-5 e Lucas 3:3-14).
Ele proclamava que o reino dos céus estava próximo e que o povo de Deus deveria se prepara
para a vinda do Senhor pela renovação da fé em Deus.
Para João, isso significava arrependimento, confissão de pecados e vida de retidão. Se era assim,
por que Jesus precisaria ser batizado?
Se Jesus não era pecador, como o Novo Testamento diz (II Coríntios 5:21); Hebreus 4:15 e I Pedro 2:22), por que Ele se submeteu ao batismo de arrependimento para perdão de pecados?
Os Evangelhos respondem.

O BATlSMO NAS AGUAS NO EVANGELHO DE MARCOS
Marcos apresenta o batismo de Jesus como uma preparação necessária para seu período de
tentação e ministério.
Em seu batismo Jesus recebeu a aprovação do Pai e a unção do Espírito Santo (Marcos 1:9-11). A
ênfase de Marcos na relação especial de Jesus com o Pai, - "Tu és o meu Filho amado, em ti me
comprazo"(Marcos 1:11) - aproxima duas importantes referências do Velho Testamento.
A messianidade de Jesus é apresentada de uma maneira totalmente nova, na qual o Messias
reinante (Salmo 2:7) é também o Servo Sofredor do Senhor (Isaías 42:1).
A crença popular judaica esperava um Messias reinante que estabeleceria o reino de Deus, não
um Messias que sofreria pelo povo.
No pensamento dos judeus a chegada do reino dos céus estava também associada com ouvir a
voz de Deus e com a dádiva do Espírito de Deus.

O BATlSMO NAS AGUAS NO EVANGELHO DE MATEUS
O relato de Mateus sobre o batismo de Jesus é mais detalhado do que o de Marcos.
Começa destacando a relutância de João Batista em batizar Jesus (Mateus 3:14), que foi
persuadido somente depois de Jesus lhe ter explicado: "Deixa por enquanto, porque assim nos convém
cumprir toda a justiça." (Mateus 3:15).
Embora o significado pleno dessas palavras seja impreciso, elas pelo menos sugerem que o
batismo de Jesus era necessário para cumprir a vontade de Deus.
Tanto no Velho como no Novo Testamento (Salmo 98:2-3; Romanos 1:17) a justiça de Deus é vista
como a salvação Dele para o Seu povo.
Por isso o Messias pode ser chamado de "O Senhor é nossa justiça" (Jeremias 23:6, Isaías 11:1-5). Jesus disse a João Batista que seu batismo era necessário para fazer a vontade de Deus em trazer a
salvação sobre seu povo.
Assim a declaração do Pai no batismo de Jesus é apresentada na forma de uma declaração
pública.
Enfatizava que Jesus era o servo ungido de Deus pronto para iniciar seu ministério, trazendo a
salvação do Senhor.

O BATlSMO NAS AGUAS NO EVANGELHO DE LUCAS
Lucas menciona rapidamente o batismo de Jesus, colocando-o em paralelo ao batismo de outros
que se referiram a João Batista (Lucas 3:21-22).
Ao contrário de Mateus, Lucas coloca a genealogia de Jesus depois de seu batismo e antes do
início de seu ministério.
O paralelo com Moisés, cuja genealogia ocorre logo antes do início de seu trabalho (Êxodo 6:14-25), não é mera coincidência.
Provavelmente pretendeu-se ilustrar o papel de Jesus ao trazer livramento (salvação) ao povo de
Deus assim como Moisés fez no Velho Testamento.
Em seu batismo, na descida do Espírito Santo sobre si, Jesus estava apto a desempenhar a
missão para a qual Deus O havia chamado.
Em seguida a sua tentação (Lucas 4:1-13), Jesus entrou na sinagoga e declarou que havia sido
ungido pelo Espírito para proclamar as boas novas (Lucas 4:16-21).
Que o Espírito se fez presente no Seu batismo para ungi-lo (Atos 10:37-38).
Em seu relato, Lucas tentou identificar Jesus com as pessoas comuns. Isso é visto no berço da
história (com Jesus nascido num estábulo e visitado por humildes pastores, Lucas 2: 8-20) e através da
genealogia (enfatizando a relação de Jesus com toda a humanidade, Lucas 3:38) logo depois do
batismo.
Assim, Lucas via o batismo como o primeiro passo de Jesus para se identificar com aqueles que
Ele veio salvar.
Somente alguém que era semelhante a nós poderia se colocar em nosso lugar como nosso
substituto para ser punido com morte pelo pecado.
Jesus se identificou conosco a fim de mostrar Seu amor por nós.
No Velho Testamento o Messias era sempre inseparável do povo que representava (veja Jeremias 30:21 e Ezequiel 45-46).
Embora o "servo" em Isaías seja algumas vezes visto de maneira conjunta (Isaías 44:1) e outras
vezes como indivíduo (Isaías 53:3), ele é sempre visto como o representante do povo de Deus (Isaías
49:5-26), assim como o servo do Senhor.
Evidentemente Lucas, bem como Marcos e Mateus, estava tentando mostrar que Jesus, como
representante divino do povo, tinha se identificado com ele no batismo.

O BATlSMO NAS AGUAS NO EVANGELHO DE JOÃO
O quarto Evangelho não diz que Jesus foi batizado, mas que João Batista viu o Espírito descendo
sobre Jesus (João 1:32-34).
O relato enfatiza que Jesus foi a João Batista durante seu ministério de pregação e batismo; João
Batista reconheceu que Jesus era o Cristo, que o Espírito de Deus estava sobre Ele e que era o Filho de
Deus.
João Batista também reconheceu que Jesus, batizava com o Espírito Santo, ao contrário de si
mesmo (João 1: 29-36).
João Batista descreveu Jesus como o "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (João 1:29).
O paralelo do Velho Testamento mais próximo desta afirmação se encontra na passagem do
"servo do Senhor" (Isaías 53: 6-7).
É possível que "Cordeiro de Deus" seja uma tradução alternativa da expressão aramaica "servo de
Deus".A idéia de Jesus como aquele que tira os pecados das pessoas é obviamente o foco do quarto
Evangelho.
Seu escritor sugere que João Batista entendeu que Jesus era o representante prometido e
salvador do povo.

O BATISMO CRISTÃO:
baptisma - Rito de Ingresso na Igreja Cristã, e simboliza o
começo da vida espiritual.
Sugere a fé em Cristo e é administrado somente uma só vez porque pode haver somente um
começo de vida espiritual.
Batismo é o anúncio público de uma experiência pessoal.
É um ato cristão de obediência e um testemunho público do desejo do crente de se identificar com
Cristo e segui-lo.
Jesus nos deu seu exemplo e ordenou o ensino sobre o batismo.
João Batista batizou Jesus no Rio Jordão, deixando-nos o exemplo para fazer o mesmo como uma
afirmação pública da nossa fé.
Da mesma forma, Jesus mandou que seus discípulos batizassem outros crentes (Mateus 28:19).
O batismo é um símbolo da morte, sepultamento e ressurreição de Cristo.
É uma visão externa da mudança interna de uma pessoa.
O crente deixa para trás a velha maneira de viver em troca de uma nova vida em Cristo.
É símbolo de salvação - não um requisito para a vida eterna.
Entretanto, como um ato de obediência, também não é opcional para os cristãos.
O batismo indica nosso desejo de dizer à nossa igreja e ao mundo que estamos comprometidos
com a pessoa de Jesus e seus ensinamentos.

O BATISMO DE JOÃO
Batismo significa mergulhar ou imergir.
Um grupo de palavras diversas podem ser usadas para significar um rito religioso para um ritual de
limpeza.
No Novo Testamento, se tornou o rito de iniciação na comunidade cristã e era interpretado como
morte e nascimento em Cristo.
João, o Batista, pregava o "batismo de arrependimento para o perdão dos pecados" (Lucas 3:3).
Todos os evangelistas concordam sobre isso (Mateus 3:6-10; Marcos 1:4-5; Lucas 3:3-14).
Reconhecemos o batismo como símbolo do nosso redirecionamento na vida.
Nós nos arrependemos de nossa velha maneira de viver em pecado e desobediência.
Mudamos a rota e damos uma nova partida.
As origens do batismo de João são difíceis de traçar.
Possui semelhanças e diferenças em relação a obrigações e exigências feitas pelos judeus aos
pagãos novos convertidos, tais como o estudo da Torá, circuncisão e o ritual do banho para expiar todas
as impurezas do passado gentio.
A prática do batismo de João tinha os seguintes resultados:
1. Era intimamente relacionado com arrependimento radical, não somente dos judeus, mas
também dos gentios.
2. Indicava claramente ser preparado para o Messias, que batizaria com o Espírito Santo e traria o
batismo de fogo (Mateus 3:11).
3. Simbolizava purificação moral e assim preparava as pessoas para a vinda do reino de Deus
(Mateus 3:2; Lucas 3:7-14).
4. A despeito da óbvia conexão entre o cerimonial de João e a igreja primitiva, o batismo realmente
desapareceu do ministério direto de Jesus.
De início, Jesus permitiu que seus discípulos continuassem o ritual (João 3:22), porém mais tarde
aparentemente ele descontinuou essa prática (João 4:1-3), provavelmente pelas seguintes razões:
1. A mensagem de João era funcional, enquanto a de Jesus era pessoal.
2. João antecipou a vinda do reino de Deus, enquanto Jesus anunciou que o Reino já havia
chegado.
3. O rito de João era uma passagem intermediária até o ministério de Jesus.

AS CONCLUSÕES DOS EVANGELHOS
Nos quatro Evangelhos está claro que o Espírito Santo veio sobre Jesus no seu batismo para
capacitá-lo a fazer a obra de Deus.
Os quatro escritores reconheceram que Jesus foi ungido por Deus para cumprir sua missão de
trazer salvação ao mundo.
Essas idéias são a chave para o entendimento do batismo de Jesus.
Naquela ocasião no início de seu ministério, Deus ungiu Jesus com o Espírito Santo para ser o
mediador entre Deus e o seu povo.
No seu batismo Jesus foi identificado como aquele que carregaria os pecados das pessoas; Jesus
foi batizado para se identificar com o povo pecador.
Da mesma forma, nós somos batizados para nos identificarmos com o ato de obediência de Jesus.
Seguimos seu exemplo fazendo uma pública confissão do nosso comprometimento com a vontade
de Deus.
Cerimônia em que se usa água e por meio da qual uma pessoa se torna membro de uma igreja
cristã.
O batismo é sinal de arrependimento e perdão (At 2.38) e união com Cristo (Gl 3.26-27), tanto em
sua morte como em sua ressurreição (Rm 6.3-5).

CARACTERÍSTICAS DO BATISMO:
aMODO:
 ”batizar”significa mergulhar ou imergir.
Do grego “baptisma”, significa imersão, submersão:
a) de calamidades e aflições nas quais alguém é submergido completamente;
b) do batismo de João, aquele rito de purificação pelo qual as pessoas, mediante a confissão dos
seus pecados, comprometiam-se a uma transformação espiritual, obtinham perdão de seus pecados
passados e qualificavam-se para receber os beneficios do reino do Messias que em breve sena
estabelecido.
Este era um batismo cristão válido e foi o único batismo que os apóstolos receberam.
c)do batismo cristão; um rito de imersão na água, como ordenada por Cristo,pelo qual alguém,
depois de confessar seus pecados e professar a sua fé em Cristo, tendo nascido de novo pelo Santo
Espírito para uma nova vida, identifica-se publicamente com a comunhão de Cristo e a igreja
(Mt.28:19,20).
Em Rm 6:3, Paulo afirma que fomos “batizados na sua morte”, significando que estamos não
apenas mortos para os nossos antigos caminhos, mas que eles foram sepultados. Retornar a eles é tão
inconcebível para um Cristão quanto para alguém desenterrar um cadáver.
O mandamento judáico sugeria batismo de prosélito”conversão de um pagão ao judaismo”.
O convertido ficava de pé na água até o pescoço e enquanto era lida a Lei, ele submergia na água
como sinal de que fôra purificado das contaminações do paganismo e começara uma vida nova como
membro do povo da aliança PAGÃO: AQUELES NÃO RECONHECIDOS JUDES, SEGUIDOR
PRATICANTE DA LEI DE MOISÉS.
Submersão x Aspersão (Derramar Agua):lnfluenciada por idéias pagãs não-bíblicas, a aspersão
é administrada somente aos enfermos e moribundos que não podem ser imergidos em água.
O método prático se generalizou.
Contudo, o método correto e bíblico é a imersão o qual corresponde ao significado simbólico do
batismo, a saber, morte, sepultura e ressurreição de Jesus (Rm.6:1-4).

b) PEDOBATISMO (BATISMO DE CRIANÇAS):
O batismo não é a mesma coisa que circuncisão
(tirar o prepúcio dos meninos como aliança de Moisés) e não era o mesmo sentido de santificação moral
como em (1Co.7:14).
Não é possível porque restringe-se sua prática aos que podem exercer a fé conscientemente e
além disso, batismo de famílias não as incluíam, podendo terem sido batizadas as maiores que já
entendessem o seu significado (1Pe.3:21).
Infantes não têm pecado para se arrependerem e não podem exercer a fé; podem ir a Cristo
(Mt.19:13,14) e serem apresentados (consagrados), conforme (Lc.2:21-34); Fórmula: Batizando em
nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mt. 28:19).
Em (At.2:38), o original grego fala do batismo “sobre” o nome de Cristo, significando uma
declaração de reconhecimento de fé em Jesus e não uma fórmula batismal.
Ser batizado em nome de Jesus significa encomendar-se inteira e eternamente a Ele como
Salvador enviado do Céu, e a aceitação de sua direção como guia e enviado (Mt.28-19).
Esta fórmula trinitariana testifica a submersão em comunhão espiritual da Trindade. Recebemos:
graça de Jesus, o Amor de Deus e a Comunhão com o Espírito Santo. (Bênção Apostólica - 2Co.13:13).

c) APTOS AO BATISMO:
Todos os que sinceramente se arrependem dos seus pecados e
exercitam uma fé viva em Jesus, agindo em confissão de fé (At.8:37), Oração (At.22:16) e Voto de
Consagração (1Pe.3:21).
É importante o discipulado para que possam crescer na fé cristã, antes e depois do batismo.

d) EFICÁCIA DO BATISMO:
O batismo nas águas não tem poder para salvar, pois se batizam os
salvos que aceitaram a Jesus, mas é essencial para a integral obediência a Cristo.
A eleição do Convertido se completa por sua pública admissão como membro da igreja de Cristo
(Como o presidente eleito pelo povo e depois,toma posse do cargo ou como a noiva que casa e agora
vai à lua-de-mel). E uma etapa progressiva como” namorar,enoivar, casar e ter filhos”.

e) SIGNIFICADO DO BATISMO:
Sugere Quatro Idéias:
1)SALVAÇÃO: A descida do convertido às águas retrata a morte de Jesus efetuada.A submersão
do convertido fala da morte ratificada(sepultamento) e o levantamento do converso significa a conquista
sobre a morte(ressurreição).
2)EXPERIÊNCIA: O fato desses atos serem efetuados pelo convertido, demonstra sua
identificação espiritual com Jesus.Cristo morreu pelo pecado para morrermos para o pecado; Cristo
ressuscitou dentre os mortos a fim de vivermos uma nova vida de justiça.
3)REGENERAÇÃO: A experiência do novo nascimento é descrita como “lavagem”ou
“banho”renovador e restaurador(Tito 3:5) porque pelo meio dela, a lavagem, os pecados (contaminações
da vida de outrora) foram lavados. Deus, em união com a morte de Cristo e pelo Espírito Santo, purifica
a alma.
O batismo nas águas significa esta purificação(At. 22:16).
4)TESTEMUNHO: Ser batizado é ser revestido de Cristo (61.3:7). Batismo nas águas, significa que
o convertido, pela fé,”vestiu-se” de Cristo (Seu caráter)de modo que as pessoas possam ver Cristo nele;
é como “vestir o uniforme do Reino de Deus. como soldado alistado e_em treinamento para o combate
contra o mal, o diabo e o pecado.”



A CEIA DO SENHOR(COMUNHAO):

deipnon:
Rito distintivo da adoração Cristã, instituída por Jesus na véspera de sua morte. Consiste na
participação solene do pão e vinho, os quais sendo apresentados ao Pai, em memória do sacrificio único
e eterno de Jesus, tornam-se um meio de graça pelo qual somos incentivados a uma fé mais viva e a
uma fidelidade maior a Ele.
Cerimônia que Cristo instituiu na noite em que foi traído, logo depois da refeição da PÁSCOA, para
servir de lembrança da sua morte (1Co 11.23-34).
Para os católicos e alguns evangélicos a ceia é um sacramento e um meio de graça
(EUCARISTIA); para outros é um MEMORIAL
Conforme (Jo.6:56)-Comer da minha carne - Sentir a mesma vontade(desejo)de ser revestido,
transladado ao Celestial; superar o terreno.
Beber do meu sangue-receber na alma o que serve para refrescar e nutrir, fortalecer para a vida
eterna (sede da vida eterna); nutrir o mesmo sentimento pelo Pai, que há em Cristo.

PAO E VINHO 
(Vinho no sentido de”embriagar-se do Espírito de Jesus Cristo”, esquecendo-se da
vida passada-(Ef.5:18); (Pão como em Israel, bolo retangular ou arredondado, da grossura aproximada
de um polegar, e do tamanho de um prato ou travessa.
Por isso não era para ser cortado, mas quebrado; consagrados ao Senhor e usado nos ágapes
(“festas de amor e de comunhão”) e na Mesa do Senhor, simbolizando a conquista de Jesus na Cruz.

SIGNIFICADO DA CEIA: 
Alegrem-se todos no Espírito Santo (vinho) porque EU VENCI E A
VITORIA E DE TODOS (Pão).
Se não puderem aguentar beber vinho tendo o perigo de se embriagar na carne, é melhor usar
suco de uva sem álcool, pois a embriaguês incitada é a do Espírito Santo e não a da carne.

CARACTERÍSTICAS DA CEIA:
a) COMEMORAÇÃO:“Em memória de Jesus”.
Comemorando de um modo especial a morte expiatória de Jesus que os libertou dos pecados.
Comemorar a morte porque foi o evento culminante do seu ministério que nos salvou.
b) INSTRUÇÃO: A Ceia nos dá uma lição objetiva sobre dois fundamentos do Evangelho: A
Encarnação-O verbo se fez carne e habitou entre nós (Jo.1:14).
O Pão de Deus é aquele que desceu dos céus e dá vida ao mundo(Jo.6:33) e a Expiação: As
bênçãos decorrentes da encarnação nos são dadas mediante a morte de Cristo.
O pão e o vinho simbolizam os dois resultados na morte: a separação do corpo e da vida; a
separação da carne e do sangue.
O pão partido simboliza que o pão deve ser quebrantado na morte(Calvário) a fim de ser
distribuído entre os espiritualmente famintos.
O vinho derramado nos diz que o sangue de Cristo, o qual é sua vida, deve ser derramado na
morte a fim de que seu poder purificador e vivificante possa ser outorgado às almas necessitadas.
c) INSPIRAÇÃO: As várias uvas espremidas formam o vinho; somos participantes da mesma
natureza de Cristo pela comunhão com Ele; o ato da ceia nos recorda e assegura que, pela fé, podemos
receber o Espírito Santo e sermos o reflexo de seu caráter.
d) SEGURANÇA: O cálice do sangue (Novo Testamento:1 Co.11:25)é um ato solene como o
pacto de sangue da aliança, onde Deus aceitou o sangue de Jesus (Hb.9:14-29).
O sangue de Jesus é a garantia e devemos crer e testificar desta aliança (Rm.3:25,26) e (1Pe.1:2).
e) RESPONSABILIDADE: Os indígnos(quanto às ações pecadoras) não podem ser admitidos na
Ceia do Senhor, praticando algo que impeça de apreciar o significado dos elementos da Santa Ceia,
ceando sem atitude solene, meditativa e reverente.
Os sinceros se sentem indignos e assim, são dignos pelo reconhecimento, mas os indignos nem
ao menos refletem, se exaltando e pecando.

AS PALAVRAS E AÇÕES DE JESUS NA CEIA DO SENHOR
Para entender o significado completo da Ceia do Senhor, temos que examinar cuidadosamente o
que Jesus falou e fez na ceia última ceia com seus discípulos.

"ESTE É O MEU CORPO"
Todas as fontes bíblicas dizem a mesma coisa sobre o que Jesus fez quando ele começou a ceia
(veja Mateus 26:26; Marcos 14:22; Lucas 22:19; 1 Coríntios 11:23-24).
Ele fez três coisas:
1. Ele pegou o pão
2. Ele agradeceu a Deus
3. Ele partiu o pão
Curiosamente, como vemos em Marcos 6;41 e Marcos 8:6, ele fez as mesmas três coisas quando
ele alimentou os cinco mil e os outros quatro mil.
De acordo com os quatro relatos da última ceia, o que ele disse quando pegou o pão foi "este é o
meu corpo".
Há diferentes opiniões sobre o significado preciso dessas palavras. Mas, o que é certo é que Jesus
estava indicando que ele daria o seu corpo em sacrifício para que nós tivéssemos vida.
Isso se encontra mais claro em 1 Coríntios 11:24, aonde esta escrito "Esse é o meu corpo que
entregue por vós" (ou em alguns manuscritos mais antigos "Esse é o meu corpo que é partido por vós").

"FAZEI ISSO EM MEMÓRIA DE MIM"
De cara, essa instrução pareceria o jeito que Jesus encontrou de dizer aos seus seguidores que
repetissem essa ação como um sacramento, ou uma cerimônia religiosa, através dos tempos.
Mas, como essa ordem só é encontrada em Lucas 22:19 e 1 Coríntios 11:24, algumas pessoas
argumentam que o Senhor não tinha a intenção que aquela atitude fosse repetida.
Será que este argumento está correto? Provavelmente não.
Nós temos que lembrar que todos os evangelhos foram escritos quando o partir do pão já era uma
prática comum na vida da igreja.
Mateus e Marcos, no entanto, podem ter achado desnecessário expressar a intenção de Jesus
com essas palavras.
A comunhão não é para repetir o sacrifício de Cristo, mas para relembrar com gratidão que Cristo
nos amou a ponto de morrer por nós. (Hb.10:10).

"ESTE É O CÁLICE DA NOVA ALIANÇA"
Jesus pegou uma taça de vinho, deu graças e deu a seus discípulos para que todos eles
bebessem.
Esse foi o mesmo jeito que ele fez quando distribuiu o pão.
Mas nas palavras Jesus falou do vinho, ele introduziu um novo conceito na discussão sobre a
aliança.
Mateus e Marcos recordam as palavras de Jesus como "isto é o meu sangue, o sangue da nova
aliança" (Mateus 26:28; Marcos 14:24). Lucas 22:20 fala "Este é o cálice da Nova Aliança no meu
sangue derramado por vós" e 1 Corínthios 11:25 é semelhante a isso.
Todas essas referências à aliança nos levam de volta ao ritual do Velho Testamento de fazer uma
aliança (um acordo ou tratado) com sacrifício, como na aliança entre Deus e Israel depois do Êxodo
(Êxodo 24:1-8).
Eles também sugerem que a esperança de uma nova aliança, descrita em Jeremias 31:31-34, foi
realizada em Cristo.

"É DERRAMADO PARA PERDOAR OS PECADOS DE MUITOS"
O significado da morte de Cristo como um sacrifício está ligado com um entendimento da páscoa e
da aliança.
No entanto, é importante que nós reconheçamos que a ceia do Senhor também está ligada com o
que Isaías 53 diz sobre o Servo sofrido do Senhor se colocou "por expiação do pecado" (Isaías 53:10).
Lucas 22:37 inclui entre as palavras de Jesus: "Porquanto vos digo que importa que se cumpra em mim
isto que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Pois o que me diz respeito tem seu
cumprimento."
O verso que Jesus cita - Isaías 53:12 - também diz que "derramou a sua alma até a morte," e que
ele ; "levou sobre si o pecado de muitos".
Mateus 26:28 diz que o sangue de Jesus foi "derramado por muitos para remissão dos pecados".
A taça da comunhão, então, deve nos lembrar do sangue de Jesus derramado como uma oferta
para cuidar de nossos pecados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário